Google+
09.jpg

Pacto pela garantia de direitos de crianças e adolescentes

by @administracao on 08/09/2020

Foto divulgação

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) convoca os municípios da Paraíba e de outros quatro estados do Nordeste (AL, PE, PI e RN) para firmar um compromisso pela garantia dos direitos essenciais de crianças e adolescentes neste contexto da Covid-19. Reconhecendo que as famílias com crianças e adolescentes são as principais vítimas ocultas do coronavirus, o UNICEF, a Asserte e a Casa Pequeno Davi estão intensificando a atuação de suporte técnico na região. Na próxima quarta-feira (09), essa ação de resposta à pandemia será apresentada aos gestores e técnicos municipais em encontro virtual, reunindo cerca de 300 representantes. 

A proposta é aliar profissionais das áreas de saúde, assistência social e educação, buscando garantir a intersetorialidade e o olhar integral para os cuidados com cada menina e menino. Até o fim do ano, serão intensificadas a oferta de cursos e formações a distância e a troca de conhecimento a partir do compartilhamento de publicações e campanhas educativas. Além disso, os municípios terão a oportunidade de compartilhar suas experiências.    

O chefe do UNICEF para o Semiárido, Dennis Larsen, reforça que a ação é uma continuidade da parceria já mantida com os municípios a partir do programa Selo UNICEF. Mas, agora, com foco no enfrentamento da pandemia. “Nossa intenção é trabalhar junto aos municípios para garantir a continuidade ou implementação de ações essenciais nos municípios. É preciso reduzir o avanço do vírus e o impacto nas crianças”, destaca.

Pesquisa – A pesquisa Impactos Primários e Secundários da Covid-19 em Crianças e Adolescentes, lançada no fim de agosto pelo UNICEF, constatou que famílias com crianças ou adolescentes foram as mais impactadas pela crise provocada pela Covid-19 no Brasil. Realizada pelo Ibope em todo o País, a pesquisa mostra que os brasileiros que vivem com pessoas menores de 18 anos em casa foram a maioria entre aqueles que tiveram redução de rendimentos, ficaram sujeitos à insegurança alimentar e, inclusive, à fome, entre outros desafios.

Outro desafio é que, embora essenciais para conter a disseminação da Covid-19, o fechamento das escolas e o distanciamento social deixam ainda mais vulneráveis crianças e adolescentes que sofrem diferentes formas de violência. A cada 15 minutos, uma menina ou um menino sofre violência sexual no Brasil e 77% dos agressores são do grupo familiar ou conhecido da vítima, segundo dados da Safernet. Nesse sentido, o UNICEF reforça o apoio às equipes municipais dos Conselhos Tutelares e da Assistência Social para prevenção e encaminhamento dos casos de violência contra meninas e meninos.

Outras informações:

https://www.unicef.org/brazil/comunicados-de-imprensa/familias-com-criancas-e-adolescentes-sao-vitimas-ocultas-da-pandemia-revela-pesquisa-do-unicef

https://www.unicef.org/brazil/comunicados-de-imprensa/covid-19-pelo-menos-um-terco-das-criancas-em-idade-escolar-nao-consegue-acessar-ensino-a-distancia

https://www.asserte.org.br/l/em-casa-sem-violencia/

Contato: Assessoria de Comunicação – Júlia Ferreira Kacowicz (81) 99242-7218

*Release divulgação UNICEF

Previous post:

Next post:

Google+